Sublimação ou impressão direta em tecidos: descubra a melhor técnica para grandes formatos

    O mercado de estamparia têxtil digital está cada vez mais moderno, com tecnologias de ponta para garantir impressões de qualidade. A sublimação em tecidos é a mais famosa e usual, mas a impressão direta também é comumente utilizada. Para saber qual a melhor solução para o seu negócio é preciso entendê-las.

Sublimação em tecidos

A sublimação é um processo de transferência da imagem do papel (offset/digital) para tecidos e materiais de base sintética como poliéster ou poliamida, composto 100% desses materiais ou mistos com outras fibras, como por exemplo, 60% poliéster e 40% algodão. Quanto maior o número de fibras sintéticas, mais qualidade na impressão e na fidelidade das cores. O processo de sublimação é dividido em duas fases: a impressão do papel transfer (digital ou offset) e a estamparia (prensa térmica ou um cilindro – média de 200° C) em fibras têxteis. A tinta para sublimação que está no papel transfer em seu estado sólido entra em contato com o tecido ou superfície da imagem e por meio do calor e pressão, evapora penetrando nas fibras e estrutura dos materiais. A transferência da estampa acontece quando a tinta contida no papel sofre a pressão e alta temperatura por 20 segundos. O resultado é surpreendente! A sublimação é indicada principalmente para birôs e estamparias de moda fashion, moda esportiva, decoração de interiores e comunicação visual. Entre as vantagens da sublimação em tecidos podemos destacar o preço mais acessível. Se compararmos os insumos, um metro linear de seda pode custar entre R$50 e R$100 reais. Já o metro de uma base similar de poliéster sai por R$5 reais. Além disso, nesse processo a tinta utilizada é a base d’água, sendo dispensável qualquer tipo de pré e pós-tratamento, evitando o desperdício de água. Ao que tudo indica a sublimação deve crescer 4% ao ano até 2025.

Impressão direta em tecidos

A impressão direta funciona apenas com fibras naturais, como a seda e o algodão e por isso o processo é um pouco mais complexo e com custo mais elevado. Para receber a impressão esses tecidos precisam passar por um pré-tratamento para absorver adequadamente a tinta e depois disso por um pós-tratamento que melhora a sua ancoragem. Esses procedimentos necessitam de maquinas específicas, além de consumir uma elevada quantia de água durante o seu preparo. Entre as vantagens dessa técnica, é possível ressaltar a infinidade de tecidos de fibras naturais e o conforto proporcionado por eles. Além da preocupação com a sustentabilidade, já que algumas matérias-primas de tecido são renováveis. Ainda que existam diferenças entre os processos, ambos estampam tecidos com alta qualidade. Basta comparar qual deles se encaixa com a proposta do seu negócio.]]>